Malabarismo nas ruas

O malabarismo é conhecido por ser uma arte muito presente nos circos. Mas, indo além deles, é possível encontrar um grande número de malabaristas realizando seus truques nas ruas das grandes cidades do país. Este tipo de prática já faz parte do cenário urbano de Curitiba e divide opiniões, tanto entre os espectadores, quanto entre os próprios artistas.

Por ser uma atividade que trabalha mente, coordenação, reflexos e autocontrole, muitos o praticam apenas por diversão, mas há um grande número de pessoas que leva a atividade a sério e ganha a vida a partir dela. Como é o caso de Lauro Fernando Monteiro, de 23 anos e de Gabriel Vieira, de 27, ambos praticando o malabarismo há sete anos.

Segundo Lauro, existem os malabaristas que odeiam os semáforos. Ele adora. “Acho que, acima de tudo, é a democratização da arte”, afirma. Gabriel também se diz apaixonado pelo que faz, principalmente pela liberdade que tem no trabalho. “A gente pode trabalhar a hora que quer, o dia que quer, mas também tem a obrigação de fazer as pessoas que estão nos carros felizes. Tentar fazer eles sorrirem, o objetivo é esse”, diz.

A receptividade do público é variada, alguns motoristas gostam, aplaudem, outros não se mostram interessados. “Uns não olham porque acreditam ser a marginalização da arte”, conta Lauro. Ele comenta até já ter recusado dinheiro no semáforo, porque o homem havia mostrado descaso pela sua apresentação.

Lauro diz que quando faz suas performances, procura estar produzido e fazer uma apresentação com começo meio e fim, mesmo em pouco tempo, porque leva a sério o trabalho que faz. “Se eu vou ganhar o pão com isso, não vou fazer de qualquer jeito”, conclui.

Os lugares em que é mais fácil encontrar esses profissionais é próximo ao Shopping Mueller, nas ruas 13 de Maio e Barão de Antonina. Enquanto Lauro prefere o centro da cidade para trabalhar, Gabriel diz se sentir melhor na região dos bairros Água Verde e Batel. Ambos acreditam que os melhores dias para ir aos sinais sejam sábado e domingo, quando as pessoas saem para se divertir, sem a pressa ou o estresse do dia-a-dia.